25 de mar de 2017

Descubra como melhorar o sinal no seu celular


Hoje eu separei algumas dicas simples que podem ajudar a melhorar o sinal do seu smartphone. Olha só!
A primeira coisa que você precisa fazer é procurar um bom lugar pra usar o aparelho. Em lugares fechados e com muita gente, como festas ou shows, é normal ficar com dificuldade pra encontrar sinal de celular. Por isso, vá pra um lugar aberto, ou perto de uma janela ou porta, e que não tenha muita gente por perto, tá?
Lugares altos também costumam ter um sinal melhor porque não têm interferências de árvores e construções. Se estiver em um lugar com mais de um andar, tente ir para os andares superiores. Você vai ver que o sinal volta rapidinho!
E não se esqueça de deixar o smartphone longe de outros aparelhos, como tablets, notebooks e forno de micro-ondas. Isso causa interferência sim, viu?
Você sabia que a mão que você segura o celular pode interferir no sinal? Nos aparelhos mais modernos, a antena fica dentro do smartphone e sua mão pode causar interferência! Como a posição da antena varia de aparelho para aparelho e não dá pra saber exatamente onde ela está, você pode mudar a mão que está segurando o celular pra deixar a antena livre. Curioso, não é mesmo? E você também pode tirar a capinha de proteção quando estiver com dificuldades pra encontrar sinal.
A última dica é colocar o smartphone em modo avião e depois voltar pro modo normal. É que às vezes, o celular pode estar com o sinal travado ou confuso, porque saiu de uma área sem sinal pra uma outra com sinal. E você também pode aproveitar pra desligar as conexões de Wi-Fi e Bluetooth pra receber o sinal com mais facilidade! Prontinho, agora você não precisa se preocupar quando ficar sem sinal!
Fonte: Olhar digital.

Cibercriminosos podem estar certos: iPhones devem ser apagados em breve

Caso você não se lembre, um grupo de hackers black hat identificado como Turkish Crime Family está tentando extorquir a Apple: eles reivindicam acesso ao cache do iCloud e 300 milhões de contas de email Apple e pedem US$ 75 mil em Bitcoins ou Ethereum para não apagar o conteúdo dos serviços. Em um movimento mais drástico, o Turkish Crime Family indicou a possibilidade de apagar conteúdo de iPhones via iCloud.
  • A Apple tem até o dia 7 de abril para pagar a exigência
Os cibercriminosos entregaram uma amostra de 54 contas e senhas
Alguns dias se passaram e, obviamente, muitos veículos e a própria Apple foram atrás da questão para entender melhor sobre a veracidade da afirmação. Muitos pontos foram descobertos e, ao que parece, o grupo hacker black hat realmente tem uma posição de vantagem.
O Turkish Crime Family, apesar do nome, se encontra em Londres, na Inglaterra. De acordo com investigação do ZDNet, os cibercriminosos conseguiram senhas que eram utilizadas apenas para o iCloud, sem ligação com outros serviços. Ao entrar em contato com o grupo, eles também conseguiram uma amostra de 54 credenciais e descobriram o seguinte dado alarmante: todas as contas eram válidas.
Segundo o ZDNet, as contas obtidas têm o seguinte domínio: icloud.com, me.com e mac.com. O arquivo recebido pelo veículo também é simples, contendo apenas os emails e as respectivas senhas ao lado.
iCloud

Indo fundo na questão

Assim que conseguiu os dados, o ZDNet foi atrás das pessoas indicadas no arquivo para confirmar as senhas. De 54 credenciais, algumas já foram inutilizadas (apesar de existirem), mas 10 pessoas confirmaram a veracidade da senha indicada — obviamente, elas foram alteradas.
A invasão foi parcialmente confirmada
Essas 10 pessoas eram residentes do Reino Unido, porém o grupo Turkish Crime Family afirma que tem dados sobre usuários de outros países. É interessante observar que algumas pessoas contatadas pelo ZDNet notaram que utilizam o mesmo email e senha para redes sociais, como Facebook e Twitter — então, essas contas também estariam expostas.
Por último, a maioria dos invadidos contatados alegaram que receberam emails notificando tentativas de login. Caso você tenha recebido emails deste tipo — independentemente da plataforma que você usa —, e não foi você que realizou a tentiva, altere agora a sua senha.
iCloud

Fumaça é igual a fogo?

Tudo isso que foi encontrado indica uma coisa: o Turkish Crime Family realmente tem algo em mãos. Sim, pode ser algo "pequeno", algumas contas apenas para jogar o nome na mídia. Por outro lado, se isso for uma leve amostra do que eles são capazes e a Apple não entrar nesse jogo, é bom se preparar para o pior.
Ative a autenticação de dois fatores
Os usuários que utilizam o sistema de autenticação de dois fatores devem estar seguros — aliás, esse sistema é obrigatório em qualquer plataforma, seja iCloud, Gmail, Hotmail, Outlook, se você busca uma conta segura. No mais, se você está preocupado que a sua conta tenha sido invadida, não pense duas vezes e altere a senha.
  • Para mais notícias sobre segurança, acesse aqui. A Apple se negou a responder a última atualização.

Fonte: Tecmundo.

Após chantagem, hackers mostram que têm acesso a contas da Apple

No começo da semana, um grupo de hackers alegou ter acesso a mais de 300 milhões de contas do iCloud (serviço de nuvem da Apple) e estar exigindo da empresa um "resgate" de mais de US$ 75 mil. A empresa negou o caso, mas, de acordo com informações obtidas pelo ZDNET, a situação é um pouco mais complicada - e perigosa - do que parece.
O site entrou em contato com os hackers (conhecidos como Turkish Crime Family), que cederam, a título de amostra, 54 credenciais vazadas. O ZDNET diz ter utilizado as ferramentas de reinicialização de senha do iCloud para verificar se as contas eram válidas e, de fato, todas elas eram. Os dados incluíam apenas e-mails e senhas, o que sugere que eles tenham sido agregados de diversas fontes.
Em seguida, o site entrou em contato com os donos das 54 contas vazadas para verificar sua veracidade. Como muitas das contas não estavam mais registradas no iMessage, a plataforma de mensagens da Apple, seus donos não puderam ser alcançados. No entanto, 10 pessoas responderam e confirmaram que, de fato, os dados vazados incluíam suas senhas (que eles, logo em seguida, alteraram). Isso comprova que há, de fato, alguma verdade nas alegações dos hackers.
Quem são e o que dizem?
As 10 pessoas consultadas moram no Reino Unido e têm números de celular de diferentes operadoras da região. Isso sugere que o vazamento de informações da Apple não se deu por meio de uma falha de segurança de uma operadora específica. O ZDNET pediu que os hackers fornecessem também uma amostra de dados de usuários dos EUA, mas eles se negaram.
As 10 pessoas usavam a mesma senha para o iCloud desde que elas abriram suas contas no serviço. Uma delas, no entanto, disse que a senha não estava mais ativa havia cerca de dois anos. Com isso, a data do vazamento de informações ficaria entre 2011 (o lançamento do iCloud) e 2015. 
Destas pessoas, sete disseram que também usam os mesmos dados de acesso do iCloud para outros sites, como Facebook e Twitter. Isso sugeriria que o vazamento poderia vir de uma dessas empresas. No entanto, as outras três alegaram que suas credenciais de acesso do iCloud eram exclusivas daquele serviço - e, portanto, só poderiam ser acessadas por uma fragilidade no próprio sistema da Apple.
Ameaça?
Uma das ameaças dos hackers é apagar remotamente as informações de iPhones e outros aparelhos da Apple caso a empresa não acate suas demandas. Ao que parece, eles podem fazer isso: duas das 10 pessoas ouvidas pelo site disseram que houve uma tentativa de resetar suas contas do iCloud nos últimos dias. 
Com isso, o site considera que há, de fato, alguma veracidade nas alegações dos hackers. Por outro lado, não há como saber se a amostra fornecida por eles é indicativa das contas às quais eles têm acesso, ou se ela foi selecionada especificamente para dar a impressão de que suas informações são mais ameaçadoras do que são de fato. O ZDNET ainda ressaltou que os hackers se mostraram imaturos, confusos e sedentos por atenção em seu trato com os repórteres, mas frisou que não dá para descartar o risco que eles representam.
Fonte: Olhar Digital.

21 de mar de 2017

Outlook, Hotmail e Windows Live enfrentam instabilidade

Usuários de serviços vinculados ao Outlook estão enfrentando dificuldades para acessarem suas contas na tarde desta terça-feira, 21. Segundo relatos no Facebook e mensagens enviadas ao Olhar Digital, estão ocorrendo erros em serviços de e-mail vinculados às plataformas da Microsoft, como Outlook, Hotmail e Windows Live.
Conforme mostrado na imagem abaixo do site Down Detector, mais de 12 mil mensagens de erro foram relatadas pelos usuários nas últimas horas.
Reprodução
Ao que os usuários afirmam, nem todas as contas foram afetadas, já que alguns usuários conseguem se logar com uma conta, mas não com outra. O principal problema relatado foi justamente a falha na hora de realizar a conexão.
Em nota enviada ao Olhar Digital, a Microsoft afirmou que está ciente dos problemas enfrentados por alguns usuários e informou que seus engenheiros estão estrabalhando para normalizar os serviços.
Fonte: Olhar Digital.

Apple corrige o problema mais incômodo do iPhone

A Apple finalmente extinguiu o iPhone de 16 GB. A empresa anunciou uma nova versão do iPhone SE que dobra a capacidade de armazenamento e soluciona o eterno problema de falta de espaço para guardar vídeos, fotos e apps. Agora, o modelo é vendido nas versões de 32 GB e 128 GB.
O iPhone de 16 GB é um problema de longa data, gerando reclamações por parte do público e da imprensa por anos. A queixa é que o espaço é insuficiente quando pelo menos um terço do armazenamento é consumido pelo próprio sistema operacional. Além disso, aplicativos ficam maiores e mais pesados ano após ano, os vídeos chegaram à resolução 4K e fotos são capturadas em maior resolução, tornando a convivência com o espaço limitado, sem a capacidade de usar cartão microSD, insustentável.
Em 2016, quando apresentou o iPhone 7, a Apple finalmente reconheceu o problema e agiu para solucioná-lo. Não só os novos smartphones traziam pelo menos 32 GB de espaço, a família 6s também foi renovada com capacidade para, no mínimo, 32 GB. No entanto, o iPhone SE havia ficado de fora da atualização, o que finalmente foi corrigido agora.
Como nota o VentureBeat, a Apple ficou famosa ao longo dos anos por não ter o menor pudor em abandonar formatos de armazenamento defasados para forçar seu público a se adaptar ao futuro, como os CDs, os disquetes e o leitor de mídia óptica. Isso torna a insistência nos 16 GB por tantos anos ainda mais estranha.
O novo iPhone SE com mais armazenamento manterá os mesmos preços da versão antiga: o modelo de 32 GB custará R$ 2.500, e o de 128 GB será vendido por R$ 2.900. Os aparelhos estarão à venda a partir de 24 de março.
Mais novidades
O dia foi movimentado para a Apple. Além de atualizar o iPhone SE, a empresa também lançou uma nova versão do iPhone 7 na cor vermelha. Como dita a tradição, a linha de produtos vermelhos da Apple direciona o lucro das vendas para ações de apoio ao combate à AIDS e outras causas humanitárias.
O iPad também foi um destaque do dia. A empresa lançou um tablet mais barato, chamado apenas de iPad, que substitui o modelo Air 2 no line-up da Apple. O modelo de 9,7 polegadas custa R$ 2.500 (metade do preço do iPad Pro do mesmo tamanho), traz o processador A9X. A diferença entre os dois modelos é que o mais barato não tem suporte à caneta ou ao teclado retrátil da empresa.
Fonte: Olhar Digital.

Cada (RED) comprado contribui diretamente para o fundo global de combate a Aids.

Compre (RED). Dê vida.

Há 10 anos, nossa parceria com a (RED) tem contribuído para programas de combate ao HIV/AIDS fornecendo orientação, testes e medicamentos que evitam a transmissão do HIV de mãe para filho durante a gestação. Já são mais de 130 milhões de dólares arrecadados, mas podemos ir ainda mais longe. Agora estamos apresentando o iPhone 7 (PRODUCT)RED Special Edition. A cada compra, ficamos mais próximos de uma geração livre de AIDS.
Fonte : Apple 

20 de mar de 2017

Apple iPhone 8 terá design 'gota d'água' inspirado no iPhone 2G

Esperando um design novo para o iPhone 8? Bem, talvez ele seja realmente novo, mas a grande inspiração será o iPhone original (conhecido como 2G), segundo o ETNews.
O relato comenta que os funcionários de design da Apple chamam essa aparência de "water drop" (algo como pingo d'água), por causa da traseira curva mais suave e arredondada, se comparada com as bordas de metal do iPhone 7.
No iPhone 2G, a Apple colocou materiais como plástico e alumínio. Agora, o iPhone 8 será todo em vidro
Esses rumores também comentam que o iPhone 8 contará com um vidro tridimensional na traseira que encaixa com a tela de 5,8". A ideia, nesse iPhone, é oferece um aparelho com uma proporção tela x chassi bem alta, ficando próximo de aparelhos como Xiaomi Mi MIX e LG G6.
No iPhone 2G, a Apple colocou materiais como plástico e alumínio curvado para montar o dispositivo. Apesar de seguir o mesmo design com o iPhone 8, a ideia é que tudo seja feito em vidro em um corpo único.
Se você pensou que a traseira curva poderia indicar a presença de uma tela com bordas curvas, esqueça. A ETNews nota que o display será plano e, como indicado anteriormente, de OLED.
Para refrescar a sua memória, a Apple deve lançar três smartphones em 2017: iPhone 7s, iPhone 7s Plus e iPhone 8, este último para comemorar os 10 anos da marca iPhone. Mais notícias sobre os smartphones da Maçã, acompanhe esta página.
Fonte: Tecmundo.

16 de mar de 2017

Google Chrome ganha função 'ler mais tarde' em aparelhos iOS

Recurso é semelhante a lista de leitura do Safari. Usuários poderão salvar artigos para lê-los em formato mais enxuto quando estiverem offline.

O Google acaba de acrescentar a funcionalidade "ler mais tarde" para a última versão do Chrome. Por enquanto, a novidade parece ser exclusiva para aparelhos iOS e é semelhante ao recurso de lista de leitura do Safari, este lançado pela primeira vez com o Mac OS X 10.7 Lion em 2011.
Assim como no Safari, para usar a habilidade no Chrome, você deve acessar o botão de compartilhamento no Google Chrome e escolher no menu a opção para salvar suas leituras. Para ter acesso à sua lista de leitura, toque no botão menu no canto superior direito (os três pontos verticais) e seleccione Ler Lista.
Uma janela pop-up aparecerá com todos os seus artigos. Quando estiver offline, o Chrome exibirá a página em um formato mais compatível com o texto, mas o navegador exibirá a página inteira quando conectado ao Wi-Fi.
O impacto em você 
Embora o Google seja grande na nuvem, o recurso de lista de leitura no Google Chrome para iOS não é sincronizado com a nuvem. 
Os artigos guardados permanecem no seu dispositivo local. Também não está disponível em outros dispositivos com o Chrome, incluindo Macs. Parece que a única motivação do Google para esta nova funcionalidade é oferecer um recurso que o Safari para iOS tinha, mas o Chrome não.
Pode ser apenas iOS agora, mas um serviço para leitura posterior sincronizado em nuvem, integrado no Chrome, seria útil para usuários de todas as plataformas. Seria também uma outra alternativa para sistemas de terceiros como o Pocket, recentemente adquirido pela Mozilla, e o Instapaper, agora de propriedade do Pinterest.
Fonte: Macworld.

iPhone 7 Plus ganha versão 'retrô' com visual inspirado no Macintosh

A Apple sempre fez questão de destacar o quanto é preocupada com o design de seus produtos, desde os tempos do primeiro Macintosh em 1984 até os recentes AirPods. Agora, uma empresa norte-americana decidiu celebrar as origens do design da Apple com uma versão especial do iPhone 7 Plus.
A empresa em questão se chama ColorWare e é especializada em vender produtos eletrônicos com cores diferentes das originais. Seu mais novo item é o iPhone 7 Plus Retro: o smartphone mais moderno da Apple com um visual "vintage" que lembra o primeiro Macintosh.
As referências ao passado podem ser vistas por todo lado: corpo na cor bege, logotipo multicolorido como a primeira versão do logo da Apple e até linhas prateadas nas laterais que lembram as saídas de ar do primeiro computador doméstico da empresa, lançado há mais de 30 anos.
O produto, porém, é para poucos. São apenas 25 unidades à venda, com 256 GB de espaço interno de armazenamento e custando US$ 1.899 cada - equivalente a quase R$ 5.920 em conversão direta. O mesmo iPhone 7 Plus nas cores tradicionais custa R$ 4.899 no Brasil, e US$ 969 nos Estados Unidos.
Fonte: Olhar Digital.

15 de mar de 2017

Velho, não... clássico! Apple I pode ir a leilão por mais de R$ 1 milhão

Sabe aquele computador bem velhinho guardado em um cantinho obscuro de casa e que ninguém sabe por que ainda não foi jogado fora? Às vezes, esse equipamento pode valer uma crifra superior a R$ 1 milhão. Esse pode não ser o seu caso, mas com toda certeza representa o brinquedinho clássico que uma casa de leilões alemã tem em mãos: um exemplar muitíssimo bem conservado e completamente funcional do Apple I. Ao que parece, ele faz parte das últimas oito unidades intactas do computador icônico da Maçã e pode chegar ao precinho humilde de US$ 320 mil.
A empresa, especializada no comércio de antiguidades, está prestando serviço para o dono original do produto, um engenheiro californiano que preferiu se manter no anonimato. Seja como for, o zelo do profissional foi tão grande com o produto que ele ainda possui toda a documentação original que acompanhava a caixa, nota fiscal para peças e acessórios e uma carta do suporte da Apple indicando que o PC não poderia ser atualizado para o novíssimo – na época – Apple II. Adicionalmente, seu número de série garante que ele é o 14º de 200 computadores desse tipo, todos produzidos em 1976.

O Apple I tem um espaço no seu coração? E na sua carteira, hein?
O pacote contendo aparelho e todas as suas peças e papeladas – que incluem anotações com os telefones de ninguém menos que Steve Jobs e Steve Wozniak – está programado para ir a leilão no próximo dia 20 de maio, em um evento realizado na cidade de Colônia, na Alemanha. Embora a expectativa inicial seja de que o lote saia por um valor entre US$ 190 mil e US$ 320 mil – algo como R$ 600 mil e R$ 1 milhão, respectivamente –, é bem provável que quem queira levar o material para casa tenha que desembolsar uma grana muito maior.
Há cerca de três anos, por exemplo, um Apple I também funcional foi negociado por US$ 365 mil (R$ 1,15 milhão). Nesse mesmo ano, porém, a organização The Henry Ford pagou nada menos que US$ 905 mil (quase R$ 2,9 milhões) por outra unidade em condições semelhantes. Como a casa de leilão Team Breker afirma que o modelo em sua posse é “o mais bem conservado do mercado”, é bem provável que o seu resgate do FGTS inativo não seja suficiente para que o computador clássico faça parte da sua coleção pessoal.
Fonte: Tecmundo.







Veja 5 recursos pouco conhecidos dos iPhones

O iOS é conhecido como o sistema da simplicidade, em que tudo é fácil de usar. O software segue a filosofia da Apple de "simplesmente funciona", que preza por não fazer o usuários fuçar configurações atrás de ajustes no celular.
Muitas vezes, tal filosofia também faz com que as pessoas acabem por não extrair o máximo que o iPhone tenha a oferecer por não sentirem a necessidade de procurarem recursos que não são tão óbvios à primeira vista.
Abaixo estão alguns dos recursos que podem melhorar um pouco a vida do usuário e que são pouco conhecidos:
Criar atalho de teclado
Você tem alguma frase que fala muito? Gostaria de usar emoticons como o famoso shrug ¯\_(ツ)_/¯ ou “aquela carinha” ( Í¡° ͜ʖ Í¡°) sem precisar ficar procurando por ela no Google para copiar e colar? A sua melhor opção é criar um atalho de teclado.
Assim, toda vez que você digitar o atalho, o iOS substitui o texto por uma frase pré-programada. Por exemplo: se você é o tipo de pessoa que manda “Bom dia, grupo” no grupo de WhatsApp da família, você pode digitar apenas “bdg” e o sistema se encarrega de transformar isso em uma frase completa.
Para isso, basta entrar em Ajustes > Geral > Teclado > Substituição de Texto. Para adicionar um atalho, toque no botão e, no campo Frase, inclua a frase que merece ser encurtada, e, em Atalho, digite, obviamente, o atalho.
Use seus fones para tirar uma selfie
O jeito mais simples de fazer uma selfie no iPhone é simplesmente tocar no botão vermelho na tela. É a forma mais conhecida e popular de fazer uma foto com a câmera frontal... mas não é a única, nem a melhor.
Ao tocar diretamente na tela, você tem uma chance grande de fazer o seu celular vibrar, favorecendo uma foto tremida. Uma outra opção é usar as teclas de volume do seu iPhone, o que permite que você segure o seu celular com as duas mãos e consiga mais estabilidade.
No entanto, se você quiser uma selfie um pouco mais natural, sem aparecer com os dois braços esticados, uma outra alternativa é pressionar as teclas de volume do seu fone de ouvido. Claro que para isso funcionar, é necessário que seu fone tenha teclas de controle de volume.
Durma melhor
O iOS traz uma função que tem uma missão nobre: fazer seus usuários dormirem melhor. Trata-se do Night Shift, um recurso que restringe a quantidade de luz azul emitida pela tela do celular. O painel fica mais avermelhado, de modo a irritar menos os olhos, favorecendo um sono mais fácil.
O Night Shift pode ser permanentemente ativado, se você preferir assim, ou você pode definir horários específicos para que a tela faça a transição para eliminar a luz azul. Assim, se você costuma dormir às 23h, pode programar seu celular para agredir menos os seus olhos a partir das 20h, por exemplo.
Para programar um horário, você pode entrar em Ajustes > Tela e Brilho > Night Shift. Para agendar um horário diário para reduzir a luz azul, basta ativar a opção Agendado e selecionar uma hora para começar, e outra para terminar. Você também pode escolher o nível de redução na barra Temperatura da Cor. Se você arrastar a bolinha para o lado Mais quente, a tela ficará mais avermelhada; para o lado do Menos quente, as mudanças serão menos perceptíveis.
Para ativar o Night Shift a qualquer hora do dia, você só precisa abrir a Central de Controle do iPhone, o que pode ser feito deslizando o dedo para cima a partir da parte inferior da tela. Então, basta tocar no botão Night Shift para ativar, ou tocar no mesmo botão para desativar.
Use o flash da câmera para receber notificações
Você não gosta de ser notificado com uma vibração toda vez que chega uma mensagem? Não quer ficar com o smartphone com a tela para cima a todos os instantes enquanto você trabalha? Existe uma opção: usar o flash da câmera traseira para receber notificações do seu aparelho.
A função é uma boa alternativa à ausência de um LED dedicado para indicar a chegada de notificações do iPhone e também serve de apoio para que pessoas surdas consigam ser alertadas sobre o que acontece com sua vida digital.
Para ativar, basta entrar em Ajustes > Geral > Acessibilidade e ative a opção Flash do LED para Alertas. Para desligar, basta refazer o processo.
Chacoalhe para desfazer
Fez alguma coisa que não devia? Digitou o que não queria? Basta chacoalhar o seu iPhone para desfazer uma ação. O recurso é a alternativa ao Ctrl+Z no iOS, para que você não precise ficar apagando seu texto com o backspace.
É bem fácil de fazer. Digitou algo e quer desfazer? Chacoalhe o celular. Não importa muito qual é o movimento; a parte mais importante é garantir que você está segurando o aparelho com firmeza antes de mexer suas mãos. Ninguém quer ver o iPhone caindo no chão.
Fonte: Olhar Digital.

14 de mar de 2017

Receita Federal fiscaliza Facebook atrás de 'ostentadores' que sonegam o IR

Receita Federal fiscaliza Facebook atrás de 'ostentadores' que sonegam o IR

Se a sua declaração do Imposto de Renda diz que você não tem onde cair morto, mas o seu Facebook mostra uma vida de ostentação e glamour, temos uma má notícia. A Receita Federal confirma que está analisando perfis online dos cidadãos para detectar distorções entre o declarado e a realidade.
O programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, trouxe mais informações sobre a ação, que foi iniciada em 2016. Os supercomputadores do governo recebem as declarações, analisam as informações e cruzam com todos os dados disponíveis sobre o contribuinte para entender se há algo de errado.
A partir do momento em que as máquinas registram alguma suspeita de fraude, o cidadão fica nas mãos dos auditores. Eles poderão procurar investigar mais a fundo a pessoa, acessando perfis online atrás de imagens e publicações que possam provar uma possível sonegação.
São poucos os detalhes sobre o funcionamento do sistema, justamente para não interferir na investigação. No entanto, a Receita confirma que já foram mais de 2 mil casos de pessoas pegas pela ostentação feitas em redes sociais que contrariavam sua declaração de imposto de renda.
A matéria também cita que o contrário também já aconteceu. Em um dos casos, um rapaz foi pego após declarar um patrimônio milionário de R$ 100 milhões. Quando os fiscais observaram seu perfil online e viram que a pessoa era muito mais simples do que seu patrimônio declarado indicava, houve uma investigação que concluiu que ele se tratava de um “laranja”.
Fonte: Olhar Digital.

9 de mar de 2017

Não quer esperar? Veja como instalar o iOS 10.3 agora mesmo

O iOS 10.3 está no forno há algum tempo, e não deve demorar muito para que ele esteja disponível para todo mundo. A Apple já lançou a quinta versão de testes para os usuários na fase de beta, o que significa que o sistema já está quase pronto para liberação para a base total de usuários.
No entanto, existe uma maneira de “furar” essa fila de espera e acessar o iOS 10.3 imediatamente para poder usar os novos recursos, que incluem melhorias na Siri e a possibilidade de encontrar os AirPods se o usuário vier a perder os discretos fones sem fio da Apple.
Isso inclui, claro, cadastrar-se no programa de beta do iOS. É uma opção que o usuário pode fazer para ter acesso antecipado a todas as novidades do sistema antes de todos os outros. Só que existe um preço a se pagar por ser o primeiro: você estará mais propenso a encontrar erros e encarar problemas, porque é para isso que tais programas existem. A ideia é justamente testar novidades com uma base fiel de usuários que sejam mais compreensivos com bugs antes de distribuir a novidade para toda a base de donos de iPhones e iPads no planeta.
Então, se você está se sentindo aventureiro, veja como fazer:
1. Faça o registro
Isso pode ser feito por meio deste link, que vai te levar para o site da Apple. Depois de fazer login com seu Apple ID, você vai se deparar com um longo documento (que você não lerá, porque ninguém nunca lê) no qual a Apple se exime de responsabilidade em caso de problemas de software causados pela versão beta. Concorde com isso e vá para o passo seguinte.
2. Faça um backup do seu celular
Não é obrigatório, mas é altamente recomendado ter uma cópia das suas informações. Por mais que o beta esteja perto da versão final, ainda se trata de um sistema operacional em fase de testes e erros são esperados. Você pode ver em detalhes como realizar o procedimento neste link.
3. Faça o download do perfil beta
No seu iPhone ou iPad abra o Safari e acesse o link http://beta.apple.com/profile. Você terá que baixar um perfil de testador da versão beta e o dispositivo irá te guiar pelo processo de instalação. Clique no botão “Download profile” para iniciar o processo e clique em “Instalar”.
4. Baixe a atualização
A fase final é instalar a atualização. Depois de baixar o perfil de testes, basta entrar em Ajustes > Geral > Atualização de Software e permitir a instalação pressionando Transferir e Instalar.
Fonte: Olhar Digital.

Mulheres são maiores vítimas de vazamentos na internet; saiba se proteger







Fonte: Uol.

Aprenda a desativar o corretor automático no celular e não passe mais vergonha

Com certeza já aconteceu com você: ao tentar digitar algo na pressa no celular, o resultado foi completamente diferente do esperado. Desenvolvido para reduzir o número de erros de digitação e ajudar a melhorar a escrita das pessoas, o corretor, muitas vezes deixa o usuário em apuros.

Apesar de os erros serem engraçados em grande parte das vezes, eles podem causar confusões e até fazer o dono do smartphone passar vergonha.

Saiba como evitar esse problema e desativar a ferramenta:
iOS

1. No iOS, vá até "Ajustes" e clique em "Geral";

Reprodução
2. Em seguida, clique em "Teclado";
Reprodução
3. Desative a opção "Correção automática".
Reprodução
Fique atento: ao desativar o corretor automático, todas as suas postagens sairão sem uma espécie de "revisão" por parte do sistema.
Fonte: Olhar Digital.

8 de mar de 2017

Apple diz que corrigiu maioria dos exploits do iOS usados pela CIA

Em comunicado, empresa de Cupertino ainda diz que continuará investigando outras possíveis vulnerabilidades e pede para usuários baixarem iOS mais recente.
O WikiLeaks divulgou um pacote com mais de 8.700 documentos que seriam do Centro de Ciberinteligência da CIA. Segundo esses arquivos, a agência dos EUA tinha conhecimento de exploits de dia zero que poderia usar para hackear iPhones. Mas a Apple revelou agora que muitos desses bugs já foram corrigidos com a versão mais recente do iOS.
Os documentos vazados pelo WikiLeaks não incluem detalhes dos bugs ou se a CIA realmente chegou a usá-los. Por isso, não fica claro se e como a Apple sabe que os exploits foram solucionados.
De qualquer forma, a empresa de Cupertino publicou um comunicado para a imprensa sobre o mais novo vazamento feito pelo site de Julian Assange.
“A Apple está profundamente comprometida em proteger a privacidade e a segurança dos nossos usuários. A tecnologia construída no iPhone hoje representa a melhor segurança de dados disponível para os consumidores, e estamos constantemente trabalhando para mantê-la assim. Nossos produtos e softwares são feitos para levarem os updates de segurança rapidamente para as mãos dos nossos usuários, com quase 80% dos usuários rodando a versão mais recente do nosso sistema. Apesar de nossa análise inicial indicar que muitos dos problemas vazados hoje já tenham sido corrigido no sistema mais recente, vamos continuar trabalhando para corrigir rapidamente qualquer vulnerabilidade identificada. Sempre pedimos aos usuários para baixarem a versão mais recente do iOS para assegurar que tenham os últimos updates de segurança.”
A Apple não foi a única empresa cujos aparelhos eram alvos de tentativas de invasão ou hacks bem-sucedidos por parte da CIA. Segundo os documentos vazados pelo WikiLeaks, em 2016 a agência tinha 24 exploits de dia zero para Android e um ataque específico, chamado de Weeping Angel, que tinha como alvo as Smart TVs da Samsung. O ataque permitiria que a CIA usasse a TV como um microfone, gravando as conversas dos usuários e então as transmitindo de volta para o servidor da agência.
Em um comunicado enviado ao BuzzFeed, a Samsung disse que “tem consciência do relatório em questão e está investigando o assunto de forma urgente”.
Fonte: Macworld.

Apple iPhone 8 vai definir 'nova tecnologia' para todos os próximos iPhones

Neste ano, a Apple vai incluir pela primeira vez em seus iPhones uma tela OLED. Contudo, a tecnologia será restrita ao iPhone 8 — modelos iPhone 7 e 7s continuarão com o display Retina HD, ou seja, LCD. Se você ficou chateado pensando no valor no iPhone top de linha deste ano, que deve girar em torno de US$ 1 mil, poderá esperar 2018 para ter um celular da Apple com tela OLED.
Adeus, telas LCD
Isso porque, segundo um relato da The Bell, a Maçã deve colocar telas OLED em todos os iPhones fabricados a partir de 2018. O relato indica que a fábrica Interflex, fornecedora da Apple, vai gastar mais de US$ 800 milhões na construção de uma nova linha de produção para fabricar placas de circuito impresso flexível (FPCBs).
A fonte diz exatamente o seguinte: "A Apple vai garantir peças OLED para iPhones de três fornecedoras sul-coreanas, incluindo unidades da Samsung, Interflex e BH. É esperado que a Apple tenha OLED para 60 milhões de unidades ou 40% dos iPhones 8 neste ano e dobrar a adoção no próximo ano. Até 2019, ela deverá usar OLED em todos os novos iPhones".
Conceito

iPhone 8

A tela do iPhone 8 será o destaque do aparelho: 5,8" que ocupam o mesmo espaço que a tela de 4,7" do iPhone 7. Isso porque, no iPhone 8, o botão Home será removido, e os recursos de botões serão integrados na tela. A resolução? Segundo os rumores, 2K QuadHD e uma proporção de exibição maior que 2:1.
Preço? Padrão Apple: US$ 1 mil ou mais
O iPhone 8 também deverá chegar ao mercado com 3 GB de memória RAM. Por outro lado, se você espera ver bordas ou cantos curvos no iPhone 8, pode desistir. Fontes indicam que ocorreram alguns problemas na produção do vidro 3D e nos resultados de resistência das telas curvas, então a Apple abandonou a ideia por enquanto. Com isso, o iPhone 8 chegará com um vidro 2,5D — igual aos modelos atuais —, mas com tecnologia 3D que pode ser usada com reconhecimento facial e realidade aumentada.
E o preço? Bem, aquele padrão Apple: US$ 1 mil ou mais. Para saber mais notícias sobre os próximos smartphones da Maçã, acompanhe esta página.
Fonte: Tecmundo.